domingo, 6 de dezembro de 2009

Maratona de Canha 2009

 Hoje estreei-me nas lides das Maratonas. Já tinha ouvido falar, mas nunca tinha visto de perto, nunca tinha sentido o ambiente da coisa. A inscrição foi feita em cima do joelho, muito graças ao JS, um colega de trabalho, que me conseguiu uma vaga de última hora. Fui com ele, adepto de estrada, que se ia aventurar, por uma manhã apenas, no BTT.
Para mim foi tudo novidade. A bicicleta, que era nova, a estrear, e o acontecimento. O facto de ter um dorsar na bicicleta, de haver tempos e classificações, uma partida e uma meta. Ao ver-me no meio de toda aquela multidão - eram cerca de 900 participantes - senti-me muito pequeno. Ali estava eu, todo entusiasmado com a minha nova Scott, mas para onde quer que olhava só via máquinas superiores, e muito, à minha. Aí percebi que o meu mundo de BTT era ainda muito pequeno.
Falando da Maratona propriamente dita posso dizer que correu-me muito bem. Fiz os primeiros kms com o JS, mas assim que o percurso alargou ele convidou-me a acelerar.
Mais habituado ao ritmo de estrada, queria aproveitar os trilhos mais rolantes para ganhar tempo e posições. Já para mim aquele ritmo a que seguíamos estava bom, pelo que fiquei-me por ali e combinámos encontro para a meta. A partir do km5, mais ou menos, fiz a corrida a solo. Estabeleci o meu ritmo e fiquei contente quando no primeiro abastecimento, aos 20 kms, levava um hora de percurso. Nada mau para mim, essa média. Mas eu também sabia que a primeira metade de Canha era rolante e que o pior aconteceria entre os km 25 e 35. E assim foi. Surgiram um conjunto de subidas e trilhos que, ainda que não fossem dificeís de ultrapassar, para mim foram suficientes para o esgotamento físico. Os últimos cinco kms já foram feitos a um ritmo muito baixo em direcção a Canha onde cheguei com 2h39m, na posição 492º, entre 630 partipantes dos 40 km. Para o ano há mais.