domingo, 26 de junho de 2011

Agora sou padrinho....

Depois de muita conversa, e como sei que o Cromo deste grupo não resiste a novos desafios (lol), lá convenci o Rui a participar na minha 3ª prova de atletismo - GP do Olival de Basto.
Esta prova era de uma distância bem mais simpática do que as minhas duas primeiras provas: 5 Km. Como se tratou de introduzir o Rui ao mundo do atletismo, considerei esta uma excepção ao que escrevi no meu último post: combinei acompanhar alguém do príncipio ao fim da corrida.
Chegámos +/- cedo ao local da corrida e lá fomos nós levantar os dorsais junto do local de partida. Achei curioso o facto de haver muito poucos atletas individuais, estando inscritos um número superior de atletas pertencentes a clubes/colectividades. Como disse o Rui, desde logo se conseguiu distinguir os "cromos" dos "outsiders", nós incluído. A diferença começa logo na preparação da corrida. Havia pessoal a correr que nem uns doidos para aquecerem, durante largos minutos. Nós limitámo-nos a uns alongamentozitos e de andar um bocado. É o chamado reconhecimento do terreno antes da prova...
Quando se deu a partida, lá arrancámos a grande velocidade. Notava-se o entusiasmo inicial do Rui, pelo que tive que lhe dizer para abrandar para depois não estoirar a meio da prova. Encontrámos o nosso ritmo e lá fomos nós fazer as 2 voltas de 2,5 Kms cada.
No ínicio da primeira volta, vimos 80% dos atletas a desaparecerem rapidamente à nossa frente, ao ponto de no final da volta quando estávamos a cerca de 300 metros da linha de partida ouvimos o speaker a anunciar que já estavam a chegar os primeiros atletas para completar a prova. Olhámos um para o outro e até um velhote se virou para nós e disse "não podemos deixar que nos apanhem...". Hilariante!
Lá conseguimos evitar que nos dessem uma volta de avanço, e conseguimos acabar a prova na mesma volta do vencedor.... por muito pouco.
Na segunda volta, notei que o Rui já estava a acusar algum cansaço, se bem que com ele nunca tenho a certeza se é cansaço ou se é mesmo dele. Pareceu-me que ele ia conseguir atingir o objectivo de correr sem parar e eu comecei a ter um objectivo secundário à medida que a corrida se foi desenrolando: apanhar o velhote que nos desafiou no final da 1ª volta e acabar primeiro que ele. Ainda disse isso ao Rui, mas ele disse que só queria acabar sempre a correr. Foi então que nos metros finais da prova eu disse ao Rui que ia atrás do velhote, e lá fui. Sprintei como nunca o tinha feito, e senti-me muito bem. Objectivo superado!
Lembro-me de, enquanto estava a tirar o chip do sapato, o senhor ficou a olhar para mim com uma expressão um bocado estranha, do género "o que raio foi aquilo? picou-te uma abelha, ou quê???"
Foi para mim um bom treino, uma vez que não tinha traçado nenhum objectivo especial, senão acompanhar o Rui na sua estreia. No entanto, confesso que é angustiante ver na classificação final que TODOS os atletas veteranos > 65 anos (à excepção do velhote que ultrapassei no final) acabaram primeiro que nós... Incluindo uma velhota que parecia possessa durante a corrida! :)
E foi assim que me tornei padrinho...
Saldo positivo.

GP Olival de Basto

Depois de estar afastado das corridas deste os tempos de escola - excepto para correr atrás de uma bola, claro! - fui convencido a participar numa prova de atletismo. Tinha a vantagem de ser perto de casa e de ser curtinha - 5 quilómetros - o que para mim, um iniciante nestas andanças, era suficiente. É certo que desde há uns meses para cá me considero numa forma física razoável, mas uma coisa é fazer 50 ou 70 kms de bicicleta, outra coisa é correr 5 kms... É que na bicicleta, nas descidas, descansa-se!
Adiante. Acompanhado do Ricardo lá fui, mas com um misto de emoções. Por um lado estava com algum receio, pois não fazia ideia do que seria capaz de fazer, mas por outro gosto da competição e de novos desafios. Porém, já com o dorsal colocado - que stress!! - comecei a sentir-me um pouco deslocado... Já participei em várias provas de BTT e no aglomerado da partida não se consegue distinguir quem pedala muito ou não. Pode ter-se uma bicicleta da três mil euros, capacete, sapatos e equipamento topo de gama, mas ainda assim pedalar menos do que o tipo ao nosso lado que tem material da Decathlon. E isso só se percebe quando a prova começa. No atletismo não. Ainda o sinal de partida não tinha sido dado e eu já tinha conseguido avaliar quem corria a sério e quem só estava ali para... correr! Era o meu caso.
A prova consistia em duas voltas de 2,5 kms ao percurso. Como combinado, o Ricardo fez toda a prova comigo. O primeiro km foi terrível, pois o entusiasmo fez-nos correr a um ritmo demasiado elevado. Depois acalmámos um pouco, até ao final da primeira volta, mas por volta do Km.3 já começa a sentir algum cansaço. Os últimos 700 metros foram mesmo muito penososo e não soubesse que a meta estava à vista teria parado. Ao diminuir o ritmo "soltei" as rédeas ao Ricardo que arrancou para um sprint final, e quando arrancou... arrancou mesmo. Em 100 metros ganhou-me logo uns 10 metros de avanço... Ainda assim só tenho a dizer coisas boas, pois cumpri todos os meus objectivos: não fui o último a cortar a meta; fiz toda a prova a correr; e fiz menos de 30 minutos. Bem bom!

domingo, 5 de junho de 2011

Ainda não foi desta...

Quase dois meses depois da minha primeira experiência no atletismo, estava bastante entusiasmado com a perspectiva de participar noutra prova. Hoje participei na Corrida do Oriente, e estava bastante confiante para superar a minha primeira prestação nos 10 Kms. Mais uma vez, combinei com o meu cunhado fazer a prova com ele, do príncipio ao fim.
A prova contava outra vez com um mar de gente a participar, desde velhotes a meninos e meninas. Começou com +/- 10 minutos de atraso, o que tornou desconfortável o ínicio da corrida, dado o calor e o sol forte que sentia na minha careca (apesar do chapéu).
Os meus objectivos eram parecidos com os da primeira corrida:
1º - Acabar a corrida;
2º - Acabar a corrida sem parar;
3º - Acabar em menos de 01:00:00;
Tudo correu muito bem nos primeiros 2 Kms. Bom ritmo, estava confortável e sentia-me muito bem fisicamente. Mas de repente olhei para o lado e notei que o meu parceiro estava já ofegante. Lembro-me de pensar "Atão??? Já?". Mas não disse nada para não o desmotivar.
Ao quilómetro 3, o Paulo perguntou-me "Estás bem?", ao que respondi "Óptimo, e tu?". Ele disse que não estava muito bem e tentou aguentar o mais que pôde.
Ao quilómetro 4 parámos de correr: objectivo n.º 2 falhado...
Foi uma corrida com um percurso pouco acidentado, pelo que eu tinha uma expectativa elevada quanto ao tempo que iria conseguir fazer. No entanto, como tinha combinado fazer a corrida em conjunto com o Paulo, parei quando ele pediu para parar: 4 vezes. Confesso que fiquei muito surpreso com a prestação dele, até porque 1 mês e meio antes ele estava melhor que eu na Corrida do SLB. No final ele disse que tinha ganho 5 Kgs entretanto, e que não tinha treinado para esta prova...
A corrida não teve muita história, tendo em conta que o terreno era regular e sem vento. Resumiu-se ao facto de termos começado bem, termos parado 4 vezes para o Paulo recuperar, termos acabado com o meu pior registo aos 10 Kms (01:09:45) e de eu ter ficado algo frustado com o tempo realizado, por me sentir bem sendo esta a prova ideal para estabelecer o meu recorde pessoal e cumprir todos os objectivos que tinha delineado para mim.
Cheguei ao fim com a convicção de que correria mais 10 Kms...
É muito melhor correr acompanhado, especialmente de alguém que tenha um ritmo ligeiramente superior ao meu, mas nesta corrida aprendi que não vale a pena esperar ou fazer outros esperarem se se perder uma boa oportunidade de ultrapassar os nossos limites. Só excepcionalmente voltarei a acompanhar alguém do príncipio ao fim de uma corrida, quando os ritmos de cada um forem totalmente diferentes.
Houve tempo ainda para um episódio engraçado: quando estávamos a passar em frente do pavilhão atlântico, reparámos num atleta que vinha a correr a alta velocidade (pelos meus padrões) em sentido contrário. Achei aquilo curioso e disse ao Paulo "olha, aquele já acabou e voltou para trás para gozar com a malta". O meu cunhado, em sofrimento, respondeu "C@§£€o!!". :) Mas, não satisfeito, após o quilómetro 9 o artista gozão passou por nós novamente a grande velocidade, desta vez no sentido correcto da corrida. O Paulo, indignado, soltou alto um "olha-me este grandessíssimo c@§£€o!!!"... LOL
Para a próxima há mais.