quarta-feira, 28 de novembro de 2012

VII GRANDE PREMIO DA ARRABIDA – LEBRES DO SADO

“ oh caraças….mas esta subida nunca mais acaba??!!”

Foi este o meu pensamento no decurso do 4º km. Que grande castigo!! E como tudo começou? ……foi assim:

10 Horas, estávamos todos juntos no inicio da corrida. Parque Vanicelos, em Setúbal. Já por si é uma parte calma da cidade, mas nesse Domingo, devido à chuvada na véspera e na própria manhã, tudo ainda estava mais calmo.

Com um inicio de partida calmo (afinal eramos só uns 700 inscritos), lá demos uma voltinha ao parque e seguimos o asfalto para fora da cidade. Apesar do ritmo lento, quando olhei vi o inicio do pelotão. “Coisa estranha !!! (já) estou na cabeça do pelotão???!” ………….depois lembrei-me que os 2 primeiros kms, seriam guiados por 2 lebres do clube e até ao final do 2º km ninguém podia passa-las. Portanto inicio relaxado, dava para dar 2 dedos de conversa com o parceiro do lado. E assim foi.

Foi na plena descontração que tudo (realmente) começou. Saímos da estrada principal, seguimos uma estrada secundária catita, e de repente sinto o pelotão a estender-se. O espaço entre mim e o corredor da frente duplica, triplica, quadriplica! Vejo malta a “pôr a quinta” e a passar por mim. “As lebres devem ter aberto a corrida!”.  “Subi as rotações” e aí fui eu atrás dos corredores de 1ª categoria.

De repente tudo muda. Em vez de Lebres do Sado, transformamo-nos em Cavalos do Sado! O asfalto transformou-se em terra batida, poças, lama e tudo o que um trail (simples) possa proporcionar! E ai fomos nós.

1º Abastecimento e pensei eu………..”Corrida Descontraída hein!”
Nada mais errado!
Saímos da vereda verde, passámos um casario e apesar da apetecível estrada de asfalto logo ali á nossa frente, seguimos para uma entrada ingrime. Daqui foi sempre, sempre, sempre a subir. A minha velocidade foi diminuindo, enquanto a minha respiração foi aumentando de cadencia. “ Que subida esta!!  ….e nunca mais acaba!”. Comecei a ver aqueles que eu ultrapassei, a passar por mim. Novos, menos novos, senhoras nos “entas”, etc. “Que inferno!”.

Um grupo vinha a falar da temática das subidas lentas e descidas rápidas. Cada curva proporcionava-me uma esperança. Logo a seguir o desespero. Até que …….começou a chover! Nesta altura já me catalogava como Tartaruga do Sado. Já não sabia para onde olhar. Agora com a chuva só dava para olhar para o chão.

“Enfim o cimo”! Uma rotunda…………..”mas isto é ………Palmela! Palmela!! Eu subi a serra até Palmela !!!???? Que doidice”

Nesta altura tinha-me transformado em Anfibio do Sado!
E agora vai ser sempre a desceeeeeeeeeer …….
A tentação de escorregar era tanta que tive que me “colar” a uma dona de casa de cabelo apanhado que entretanto me tinha alcançado. Já tínhamos passado pelo 2º abastecimento em Palmela. E agora um novo abastecimento surgia ao fundo do caminho. “Moscatel!” surgiu da boca de um senhor com bigode farto.

Encarei o dilema: O mesmo Moscatel que ia combater o frio que tinha, poderia ser o mesmo que, talvez, provocaria um vomito!
Baixei a cabeça e passei pela bancada da tentação. Já bastava a vergonha do tempo gasto na subida! Quando baixei a cabeça, deparei-me com outra realidade: Estava tão encharcado, que era capaz de jurar que conseguia ver os meus pelos do peito, de tão molhadas que estavam as minhas vestimentas! Foi nessa altura que me lembrei que o comando do carro estava no bolso do corta vento.   “Ui ui ui…..ainda por cima o carro da patroa!”

Foi com a esperança que os senhores da Volkswagen tivessem preparado os seus equipamentos para estes imponderáveis que eu lá fiz a ultima parte da prova

As arvores começaram a rarear, a terra batida transformou-se novamente em asfalto. Os primeiros prédios, o inicio do parque, mais uma voltinha e …..”já cá estou!”.

Tudo á volta era gente encharcada. Olhei para o saco que me deram no final da prova. Um saquito com ervas. Susto. Por momentos pensei que era algo para a “dinâmica sexual”. Afinal, era para o relaxamento!. E o que vejo mais? Uma garrafa de Moscatel com uma lebre no rotulo. Este sim………….um merecido prémio!

Faltava o derradeiro desafio.
De comando na mão, qual cavaleiro Jedi, primo o botão e …………..afinal estava operacional!

E assim com o comando num bolso, um relógio que marcava 1H09 no outro bolso e um volante nas mãos dirigi-me para um merecido e desejado duche quente.



Para o ano cá nos encontramos. E desta vez vou preparado! …….. to be continued

3 comentários:

  1. Tartaruga do Sado??? LOOOOL

    Muito bom post, sim senhor! Valeu a pena a espera...

    ResponderEliminar
  2. pela descrição parece mais um treino da tropa do que uma prova de atletismo :)

    ResponderEliminar
  3. Estás um menino... tens é de ir treinar triatlo lá para a minha terrinha! Lol

    ResponderEliminar