quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O que foi, ……….o que está a ser,……………e o que ainda está para vir!


É Agosto, e o mês de Agosto é sinonimo de praia, férias e descanso.

Decidi decrescer ao mínimo a actividade física (vulgo, treinos de corrida).

Está na altura de “pagar” os vários créditos que obtive com treinos matinais, corridas de manhãs inteiras e fim de semanas de deslocações e provas fora de casa.

E claro, esta inercia casmurra afunda-nos no sofá e faz-nos querer que temos uma fome insaciável.

Vivem-se portanto tempos difíceis e perigosos.



Nesta manhã em que escrevo, decidi fazer um balanço do passado próximo, do presente imparável e do futuro desconhecido (ou quase desconhecido).



Vá, Caro leitor/atleta/amigo, puxe dessa cadeira e sente-se aqui na minha mesa com vista para o parque. Falta-lhe alguma coisa? Vai buscar um café/chá/bebida fresca ? Muito bem…….eu espero!








O que foi……..!





Quando em Dezembro/2014, perguntei, cá em casa, qual era a possibilidade de me ausentar alguns dias, para participar na maratona de Liverpool, longe iria eu de imaginar que nas 48 horas posteriores teria uma resposta positiva.



Comecei logo nas minhas planificações para tal participação.



No início do ano já tinha a viagem comprada, a inscrição efectuada e a logística afinada! Um bom pronuncio para uma grande corrida!




A cidade de Liverpool já não era um “bastião” desconhecido. Afinal tinha-a visitado na 1ª (e única) participação fora do pais. http://jrr-desporto.blogspot.pt/2013/06/road-to-manchester13-vagas-de-corrida.html





E de novo a dupla Tó/Denise iria disponibilizar as acomodações!



O plano de treinos para a maratona de Liverpool estava na 1º semana de Janeiro fechado e pronto para concretizar.



Não vou somar km´s, indicar estatísticas, analisar desvios ao planeado. Isso é um campo que o Rui (aqui do blog) domina. Apenas vou fazer um exercício retrospectivo de lembranças:



- Em Janeiro participei na corrida do Fim da Europa (com um nevoeiro maravilhoso) e o trail de Bucelas (com uma lama terrível).



- Em Fevereiro, o trail de VV de Rodão (um mimo de trail), os 20 Kms de Cascais (com o Atlântico como companhia) e o trail de Sicó (que prova……..e que abastecimentos!)



- Em Março surgiu o bom tempo e nas Lezírias foi uma corrida de farto calor! No final do mês novo trail. Desta vez em Monsaraz, um trail em pleno Alqueva.



-Em Abril a Clássica Cascais-Lisboa pela marginal a fora, a corrida do Glorioso (o prenuncio da conquista do campeonato) e a corrida da Liberdade (para não esquecer das coisas essenciais da vida) preencheram o mês.



-Em Maio, começou o nervoso pré/maratona. Para além dos treinos longos ainda houve tempo para os trilhos das Lampas (ao pôr do sol nas arribas do Oeste) e o trail de São Mamede (onde comer e correr são os grandes objectivos).



- Chegamos a Junho. Depois da corrida do Oriente, desacelera-se o ritmo e a intensidade das corridas. O dia 14 de Junho aproximava-se ……………..







- Liverpool



O viagem para Liverpool foi feito em companhia dos fundadores do Correr Lisboa, que também iam participar na maratona.



Quando eu e o Eduardo chegámos no aeroporto de Lisboa, com o check in online efectuado, já o Pedro Ribeiro lá estava, cheio de ganas.



Fizemos um daqueles almoços que qualquer atleta guarda para si, em segredo, (Macdonalds). Hambúrgueres e batatas fritas á parte, valeu pela conversa.



Sabíamos que o Pedro Ribeiro iria nos (literalmente) bombardear com as suas expectativas sobre a maratona. O homem tinha feito uma preparação super especial e mesmo diminuído fisicamente, por causa da participação numa prova de areia, augurava um resultado/ tempo que nos iria deixar para trás.

E assim, foi em grande descontracção que, quando nos pusemos em cima das nuvens, sacámos dos phones e deixámos o Ribeiro a falar sozinho (a pensar sozinho)!



A chegada a Liverpool foi mais macia que uma almofada de penas, mas para variar……………estava nublado e algum frio.

Foi nesta altura que percebi que trazia comigo mais qualquer coisa que apenas saudades. Na manhã seguinte iria saber o quê.

Mas até lá foi um resto de dia espetacular.



No aeroporto tínhamos os manos Rocha à nossa espera, bem como o nosso carro alugado, que nos iria levar ao nosso destino: Runcorn.



Fomos dar uma volta a Liverpool ainda nessa tarde (o aeroporto fica fora da cidade). Comemos um lanche reconfortante e demos um giro no centro da cidade.




Na volta para Runcorn, fomos ao supermercado buscar os mantimentos para o jantar e pequeno almoço do dia seguinte.



Nesse dia, ainda fomos buscar o Filipe ao aeroporto de Manchester que chegava no voo das 21h. E assim já tínhamos a equipa completa.



Na manhã de Sábado levantei-me bastante cedo. A luminosidade extra de quem está mais longe do equador e um travesseiro diferente convenceram-me a fazer um treino lento e ligeiro na localidade. Todo o restante pessoal dormia. O mesmo se passava lá fora. O comércio local ainda estava fechado. As estradas estavam por minha conta.



Foi no final dos 5 quilómetros de treino que percebi que tinha trazido uma virose marada lá de casa. O treino acabou com um sprint para o WC. Apartir deste momento, os meus bolsos estariam sempre em stockagem permanente com papel higiénico, guardanapos e afins. Isto era coisa do bebé lá de casa.



Qualquer saída para passeio incluía sempre um estudo preparatório dos WC´s disponíveis. A fome foi-se desvanecendo ao longo do dia. Apenas a garrafa de água tinha o seu uso.



O dia que seria de passeio e entusiasmo foi um suplício para mim.





Saímos de Runcorn a meio da manhã e depois de tomarmos o 2º pequeno almoço, fomos levantar os dorsais. O local situava-se nas imediações do início da maratona (Centro de Exposições – Albert Docks). Uma dúzia de stands constituíam a feira de atletismo do evento. Em relação à t-shirt da prova, um grande desânimo: Não se tratava de uma tshirt “finisher” (dada apenas aqueles que efectivamente acabam a prova), era de uma marca…………..fraquinha  (Rolly).  Para o preço que pagámos pela inscrição (…..) e pela experiência da empresa/organização dos eventos Rock and Roll Marathon, esperava-se um merchandising de mais e melhor qualidade. Nem se quer o saco, para deixarmos os pertences no inicio da prova, tivemos direito.



Fizemos um passeio na área comercial na baixa de Liverpool, visitámos as lojas do Liverpool FC e do Everton FC. Nesta altura respirava-se atletismo e o nervoso miudinho já era persistente.





Entretanto depois de umas 4 idas ao wc, tive que pedir com muita veemência que me deixassem em casa. Tinha que me sentar e descansar e sobretudo estar ao pé de um wc. Também não queria empatar o passeio.



O final da tarde foi feita entre o sofá da sala e o wc. Na TV dava um escaldante Republica da Irlanda vs Escócia.  Via-se mais wrestling do que futebol.





Começava a duvidar da participação na maratona do dia seguinte.

42 quilómetros, eram muitos quilómetros. Correr com uma tempestade intestinal destas seria muito difícil. Desde sexta feira ainda não tinha tido uma refeição de jeito. Tudo apontava para uma desistência antes da partida.



E foi à mesa que nos juntámos todos novamente. Tínhamos preparado uma pratada de esparguete à bolonhesa. A excitação era geral. Marcava-se as horas de saída para a corrida, o sítio de estacionamento, o local de encontro no final.



Fiz um esforço herculiano para comer um prato do repasto. Não tinha apetite. As minhas esperanças em participar na corrida eram cada vez mais diminutas. Seria uma pena. Dinheiro gasto na inscrição e viagens. Dias de férias desperdiçadas. Meses de preparação pela “borda fora”.



O grande Tó, deu-me um comprimido minúsculo branco. Disse-me que se chamava “Dimicina” e era para os desarranjos intestinais. Olhem com desdém para o comprimido. Engoli-o e fui para a cama. Desconsolado.





- Prova







(O relato seguinte é dedicado ao Pedro Ribeiro, O MAIOR!)





Eu não sei se existe algum santo ou santa protector(a) dos corredores. Se não houver, deixo já aqui a minha sugestão: Santa Dimicina!



Foi com (espantoso) vigor que acordei e me levantei da cama.

O dia já se tinha tornado manhã (menores latitudes, noites mais pequenas).

Nada de cólicas, sensações estranhas na barriga ou mesmo necessidade de evacuar.

Não sei se estava “curado” do desarranjo, mas o que é certo é que naquele momento até conseguiria correr uma maratona! Que feliz coincidência!



Peguei na minha tralha e desci as escadas. Aos poucos a “casa” ia acordando.

Iniciei o meu pequeno almoço merecido e aos poucos foram-se juntando os restantes corredores. As conversas iam gradualmente subindo de tom. A animação também!






Os manos Rocha iam à meia maratona que partia uma hora antes da maratona e por isso tivemos que sair mais cedo de Runcorn.



Pelo sim pelo não, antes de sair fui roubar algum papel higiénico que bem dobrado ficou no bolso dos calções. Só para o  caso de haver necessidades.






O plano estava montado da seguinte forma: chegar a Liverpool e estacionar o mais perto possível do início/fim da corrida; deixarmos os manos Rocha no pelotão da meia maratona e dirigirmo-nos para o local de entrega dos sacos com os nossos pertences; o restante tempo livre até ao início da maratona seria para aquecer.



A manhã apresentava-se fria (o vento que vinha do rio Mersey trazia um frio matinal característico destas latitudes).



Devia ter trazido algo mais quente para me poupar a calafrios e arrepios. Felizmente o Filipe emprestou-me uma tshirt de manga comprida.



Tirando o frio até à partida, tudo na normalidade.

Nada de wc´s, nada de vácuos intestinais. O meu plano seria ir de 5 em 5 quilómetros , que coincidia com as casas de banho disponíveis. Se entretanto algo corresse menos bem  (i.e. mal disposição)  ficaria ali mesmo nos abastecimentos.



A ideia da organização em utilizar o centro de congressos (semelhante ao Meo Arena), para estrutura de apoio dos atletas foi estupenda.



Só entravam os atletas e staff da organização. Havia wc´s espaçoso, muitos bengaleiros para guardar os sacos e uma vasta área para aquecer, e sendo coberto, para não arrefecer com o frio exterior. Não apetecia sair.





A hora chegava e os 4 magníficos tinham que se pôr a caminho. Uma das sensações que guardo é da saída do edifício. Era um mar de gente que no exterior esperava pelo início da prova ………………..e também um vento cortante. Tinhamos que começar a correr o mais depressa possível.



Como a partida era feita em vagas (e nos estávamos na 8ª vaga), ainda tivemos que esperar um bocado. Mas lá está, era uma vaga bem composta portanto, o vento não chegava a quem no meio estava.



E lá fomos nós:

O Ribeiro e o Filipe seguiram a toda a velocidade. Fiz dupla com o Eduardo e seguimos rumo a Goodison Park. Apanhámos as vias principais e foi uma subida lenta até ao estádio do Everton FC. Quanto mais distanciávamos da baixa de Liverpool, mais as vistas se transformavam em subúrbios. Notava-se pelas construções e pelas pessoas, mas levo cá dentro a memoria dos aplausos sinceros e efusivos daquela gente. Começo a perceber donde vem o ambiente quase opressivo quando vejo os jogos do clube local.





O estádio, que faz lembrar o do Boavista, localizado entre casas, pode passar despercebido.



Logo a seguir passamos por Stnaley Park, um parque espetacular. Lagos, patos e uma relva a perder de vista. De facto, não há como os parques britânicos.



De seguida e (com esperanças de ver o estádio de Enfield Road) regressámos a Liverpool. Infelizmente, não foi possível ver o estádio. O itinerário passou um pouco fora da zona e portanto mais uma vez não consegui visitar a casa do Liverpool FC.



Entretanto, no 16º km, numa subida acentuada, perdi o Eduardo .



A distância da meia maratona foi atingida quando passámos pela baixa de Liverpool (até aqui o itinerário era também o da meia maratona).



Ponto de situação:

- Flora intestinal-----------OK;

- Cansaço-----------------Ainda nada;

- Pernas e joelhos--------------- Já começavam a pedir descanso.



Descanso, descanso………………..era a palavra que surgia na minha mente, quando passava por Sefton Park.

Que loucura de parque! Um enorme parque com lagos e pássaros, caminhos rodeados de árvores. Uma autêntica floresta oficial da cidade.



Foi aqui que atingi as 3 dezenas de quilómetros. Foi aqui que também encontrei mais corredores, espectadores e torcedores. Sim torcedores, porque levar uma bandeira de Portugal e o nome na tshirt, pode ser (é) um motivo para dois dedos de conversa, efusivas frases sobre o Mourinho ou o Ronaldo ou gritos motivantes:  GO GO PEDRRRRRO!

Ora foi também por aqui que fiz uma primeira paragem. Tudo por causa da teimosa garrafa de isotónica que não queria abrir. Foi um fartote de isotónica e agua. O tempo estava ameno e eram poucas as vezes que o sol espreitava.



Com o fim de Sefton Park (aos 37º Km) eis que que avisto por fim (e novamente) o rio Mersey. Era a parte final da maratona.



Era a vez da via Promenade, uma estrada pedonal paralela ao rio. Felizmente o vento tinha amainado.



Por certo que os 3 amigos já teriam chegado e assim sem pressas (até porque as pernas já estavam nas ultimas e eu já estava cansado de tanta correria) e com o azul (naquele dia mais cinzento por causa do céu nublado) e o verde da relva pelo outro lado, fui gastando os últimos quilómetros que faltavam.



Mas eis que ao 39º Km eu vejo o Ribeiro. Todo ele era sofrimento, era uma mascara de dor e parecia um soldado ferido em combate. Ironia das ironias, minutos antes do começo ele tinha atirado esta frase filosófica:



“Existe uma companhia que nunca te vai abandonar numa corrida, é a dor!”



Já sabia que ele tinha vindo para a maratona com a perna meio dorida, por causa de uma prova feita na praia. Pelos vistos, todos estes quilómetros só tornaram a situação pior! Mas o homem não desarmava e com pequenos passos de corrida, ora olhando para o chão ou em frente, ele não desistia.

E até passou por mim, numa segunda paragem minha, tudo por causa de uma cólica, que surgiu do nada e que me fez pensar que se calhar era melhor ir com mais calma até a meta.



O MAIOR este Ribeiro, que sacrifício e que vontade!



Quando passei a meta, estava uma pequena multidão cheia de aplausos e gritos!

No meio deles estava a família Rocha, com uma máquina fotográfica em punho. O cansaço tomou conta de mim. Era hora dos abraços, das fotos e da bendita medalha de participação.



Fui recebido pelo Filipe e o Eduardo.

O Filipe tinha chegado com 3h53 e com uma bandeira de Portugal desfraldada ao vento.

Mais, tinha feito um vídeo em modo “selfie” da chegada. O Speaker tinha-o baptizado de “The Portuguese”.

O Eduardo tinha chegado 10 minutos depois.



As minhas 4h30 minutos foram das últimas coisas em que me preocupava. No início da prova as minhas verdadeiras preocupações eram: as pernas e a barriga!

Quando acabei a prova tinha ganho uma nova preocupação: O Ribeiro.

E por isso, foi em grande delírio que vimos o Ribeiro a chegar e ainda a correr!

Que grande alma! Nada, nem ninguém sabe o que ele passou!



Foi ao som dos Rolling Stones que entrámos no pavilhão para relaxar, hidratar, esticar e levantar os nossos pertences.



Nova saída do pavilhão e nova maré de pessoas.

Desta vez muito mais turistas e transeuntes de fim de semana. Afinal era uma tarde de Domingo!



A volta para Runcorn seria feita em grandes conversações. Seria um resto de dia a comer (o gasto normal na maratona ultrapassa facilmente as duas mil calorias), a descansar (sobretudo os pés e pernas) e a conversar (a intensidade do evento assim o determina).



Felizmente que, entretanto, o carro da equipa tinha sido recolocado mesmo ao pé da meta. É que a Santa Dimicina tinha deixado de fazer efeito. A sanita voltava a ser o meu local de descanso e de reflexão!



Mas com mais ou menos cólicas, esta maratona já ninguém m´a tirava!







O que está a ser



Cansaço ou simplesmente preguiça. Q que é certo é que o período de férias às corridas estendeu-se para Agosto. E assim só no início de Setembro é que iniciei o novo plano de treinos. O objectivo é o mais depressa possível retomar os treinos/provas longos(as) (entre 20 a 25 kms). Não consegui ir à meia maratona de São João das Lampas. Entretanto participei na meia maratona de Setúbal. Em lista para participação estão a meia maratona da Moita, a meia maratona da ponte vasco da gama e os 20 kms de Almeirim. E ainda algures no mês de Outubro, um treino “longuíssimo” de até 35 kms.

Não é fácil com tanto calor, o corpo quer é praia! Vale pelo treino mental, também necessário para…………..o que ai vem!







O que ainda está para vir!



Ah o Porto!

A ribeira, a ponte D. Luís e…………..as francesinhas!

A 8 de Novembro, novo desafio pela frente.







É o regresso ao Porto e às maratonas.

O ano passado deixou tão boas recordações que desta vez, regresso com amigos do SSCGD e do Clube de Corrida. E desta vez com os respectivos agregados familiares. Vai ser casa cheia!



Este ano o início e a chegada será no parque da cidade. Espero que desta vez sem chuva. E espero que haja refeição de massa, que eu no ano passado troquei-a por uma francesinha. Mas não fiquei a perder!



Vai ser bom regressar ao Porto………………carago!















quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Visita de médico

Há muuuuito tempo que não vinha aqui. Com motivos válidos, já que há mais de ano e meio que não participo em prova nenhuma, por questões de saúde. Mas isso agora não interessa nada. O que interessa é que aos poucos vou voltando a fazer as minhas corridas, se bem que com um sabor agridoce.

Por um lado, é bom voltar a correr - que é uma coisa que gosto de fazer -, mas por outro o desânimo de recomeçar e o facto de as coisas não estarem sequer perto de estar normalizadas faz com que o regresso não seja tão bom como o que desejava.

Entretanto, as maratonas de Lisboa e Porto, para as quais me inscrevi com muita antecedência a contar com uma recuperação, agora sei, demasiado otimista, são praticamente uma miragem. A de Lisboa não a vou conseguir fazer com toda a certeza. Sei o que é estar preparado, como estive em 2013, e estou a anos-luz disso. Para o Porto, diria que as hipóteses de fazer a prova são de... 15%. Em 2 meses tenho muitas muitas dúvidas que consiga estar pronto. Mas enfim... De qualquer forma não estou desiludido, já que, apesar de inscrito, não tinha reais expectativas quanto as estas provas. Inscrevi-me com a atitude "Se der, ótimo! Se não der, paciência."

Continuarei a recuperar em cima disto:

Inté!


sábado, 12 de setembro de 2015

E já cá cantam 6000 km

Ora cá está o homem da contabilidade de novo com a conversa dos kms. Eu... um gajo de letras, a fazer contas, tabelas em Excel, estatísticas e tal... ganda maluco, é o que é.
Pois que já cheguei aos 6000 kms feitos nisto do desporto, isto desde o dia 27 de Março de 2011, altura em que comecei a contabilizar a coisa com aplicação no telemóvel. Quilómetros distribuídos assim



Apesar dos meses de Junho e Julho não terem sido famosos a nível de treinos, a verdade é que estes 1000 kms foram feitos no período mais curto de sempre. Apenas 179 dias, com 89 treinos feitos. Para isso muito ajudou os treinos de bicicleta feitos nos últimos seis meses, com mais 600 kms


0000-1000 kms: 444 dias
1000-2000 kms: 275 dias
2000-3000 kms: 255 dias
3000-4000 kms: 196 dias
4000-5000 kms: 279 dias
5000-6000 kms: 179 dias

Com o aumentar da quilometragem na bicicleta, esta "ganhou" terreno face à corrida. Se até aos 5000 kms a diferença era curta (menos de 200 kms ) agora alargou-se. 2688 kms a correr e 3166 a pedalar

Pelo meio fiz o meu primeiro triatlo de distância Half-Ironman e está para breve uma nova experiência nessas andanças, em Cascais. É já no dia 27...