segunda-feira, 23 de março de 2015

Descobrir os Trilhos de Monsanto



Tal como o nemátodo está para o pinheiro, desde a corrida da árvore que o bichinho de Monsanto tinha ficado cá dentro a corroer-me para ir correr para aqueles trilhos.
 

Mas uma pessoa acostuma-se a ter uma série de ações, pensamentos e comportamentos que não lhe causam nenhum tipo de medo, ansiedade ou risco, acabando por ir treinar sempre no mesmo sítio, é como se fosse uma maneira de evitar problemas. O que se por um lado lhe garante um desempenho constante e nos dá uma falsa sensação de controlo, por outro este medo limita-lhe o crescimento.



Como se fosse uma prisão onde a porta está aberta mas nós temos medo de sair e assim, continuamos ali. Sinto-me insatisfeito na minha relação com a estrada e se eu adoro correr em floresta, em montanha, porque não o fazer? Se é o que me faz feliz… Esta falta de conforto da felicidade acontece porque a surpresa é um elemento chave do bem-estar.

E neste fim-de-semana tive finalmente a coragem de sair da minha zona de conforto e avançar para deixar que a minha paixão platónica por trilhos começasse a ser mais… carnal.

 
Sim, fui correr sozinho para estes trilhos… e agora ouço a voz da minha mãe…

Sim mãe, já sei que é coisa que não se faz…

Sim mãe, podia ter acontecido qualquer coisa e eu não tinha ajuda…

OH MÃ PARA! E depois? Eu queria estar com a cabeça sem companhia, sabe-me bem de vez em quando. Não me torno misógino por causa disso pois não?

Cheguei à Alameda Keil do Amaral e não conhecendo a zona, resolvi adotar uma estratégia de exploração em estrela, no sentido dos ponteiros do relógio, indo e vindo ao centro da alameda onde sabia existir água. Tinha como objetivo inicial fazer 18 kms em corrida.

Quando comecei a correr, confesso que senti uma ansiedade inicial por percorrer aqueles caminhos desertos, ou se calhar não tão desertos quanto isso. Muitas famílias povoavam a zona em redor a alameda, mas não tinha sido para correr aí que eu tinha vindo, vamos para os trilhos.
 
(aqui ainda é meio civilizado)
 

(eu vou por ali)
 
(os cheiros)
 
(hmmm lama)


(aqui vou para a selva mediterrânica)


(cada vez mais esguio)

(embrenha-te)

(aqui já não há trilhos possíveis)
Após umas quantas voltas começo-me a sentir confiante e a descobrir uma zona de mata densa de sobreiros onde me enfiava repetidamente, perdendo-me em trilhos mínimos, levando com cumprimentos arbóreos na cara, saltando por cima de poças e de raízes, até que de vez em quando me deparava com a visão horrível da civilização.

(Arghhh tempo de voltar para trás)

Só me perdi 3 vezes,

Só fui arranhado por silvas 2.956 vezes

Só levei 397,5 chapadas arbóreas

Só engoli 19 moscas, 6 abelhas e um besouro (da próxima vez já sei que não é preciso levar gel para reabastecer) por correr de boca aberta

Só fui picado 87 vezes por melgas e 25 por vespas

Só me esqueci de ligar o relógio GPS 3 vezes depois de parar para tirar fotos, sou um sensível à beleza da natureza.

Nem sequer fui mordido por uma víbora

Nem sequer tive que fugir de um Veado (?!?!?!)

Foi giro
(anote-se que algumas das situações elencadas são de natureza puramente fantasiosa com o propósito único de aumentar o dramatismo)

Zémi: Ainda hei-de ir correr para Sintra…

Mãe: Não faças isso que te aleijas!!!

Zémi: Prontos um destes dias levo companhia.

Mãe: Companhia? O que é que os pais da companhia fazem?

… pára!

 












8 comentários:

  1. "Tinha como objectivo inicial fazer 18 km em corrida" mas depois fiquei-me pela luta com a natureza, pela deglutição de insectos e pelas fotos.
    Muito bom!!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E repara que nem sequer disse que dos 18 kms só fiz uns 15 kms dos quais só 13 kms registados no relógio porque me esquecia de por o relógio a trabalhar...
      Obrigado
      :D

      Eliminar
  2. Boa aventura e boas fotos!

    A comer insectos dessa forma, ainda tiras o lugar ao Bear Grylls! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Engraçado, as primeiras vezes que fui para Monsanto nem pensava alguma vez ir para lá sem companhia, agora acho normal, Evito só as zonas que não conheço.
    Parares o gps para tirares fotos?? Mas que vícios são esses? :P GPS sempre ligado, a não ser que a pausa para "piquenique" seja longa (no teu caso, parece que abasteceste em andamento e tudo... ;) )
    Muito bom! Ficaria cheia de inveja, não tivesse eu já trilhado muitos desses caminhos.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso passou-me pela cabeça, mas a opção era ficar na cama. além de que aquela zona está cheia de famílias com crianças. É pacifico, não como certos e determinados parques de Sintra.
      Sim, acho que não vale a pena desligar o GPS, as estatísticas dos ritmos por km tb não interessam nem são comparáveis.
      Obrigado e boas aventuras por aí.
      Bjn

      Eliminar