sábado, 10 de outubro de 2015

A dor é inevitável o sofrimento é opcional

(A verdade é que estes treinos têm vindo sempre a correr com a boa disposição dos amigos)

Desde o final de umas férias onde que não consegui parar de correr, mesmo com grande dificuldade devido ao calor, que iniciei a minha preparação para a minha primeira maratona. Não é que este objectivo seja um grande sonho adormecido em mim, aliás foi mais uma ideia de grupo... algo que entra de fora para dentro...

Ainda assim, a minha semana de divertimentos foi arquitectada da seguinte maneira:

2ª feira - Reforço Muscular de abdominais, glúteos e pernas
3ª feira - Corrida
4ª feira - Descanso (ah que horror)
5ª feira - Corrida
6ª feira - Descanso (ah o drama, o horror)
Sábado - Treino Longo
Domingo - Natação - Excelente como anti inflamatório.

Os dias passavam e os treinos corriam bem, fazia 15 kms com uma perna às costas, fiz treinos de 20 kms, fiz treinos de 21 kms e fiz um treino de 25 kms na zona da Expo. Tudo correu bem... bem? Bom, no treino de 25 kms dei um tralho que pese embora não me tenha aleijado por aí e além mas que à noite, à medida que o meu corpo arrefeceu senti uma forte dor nas costelas que me dificultava cada respiração.

Com receio de ter partido algumas costelas, no dia seguinte, fui a correr ou melhor rapidamente tirar um raio x do torax que revelou... nada. Foi apenas uma contusão, nada que 15 dias de descanso não cure.

Para além destes treinos de corrida, havia algo que não ia tão bem. Frequentes idas ao norte em trabalho coincidiam com os dias de reforço muscular e a época de praia cortava-me a vontade de ir à piscina ao fim de semana.

O Verão passou e o Outono voltou e 15 dias depois, voltar a correr e ao programa de treinos, novos treinos de 8 kms... treinos de 10 kms... vários treinos de 15 kms, um de 20 kms até que fui fazer outro longo, desta vez atirei-me ao objectivo de 30 kms na Expo.


Os primeiros 10 kms correram lindamente e depois de uma pequena paragem para abastecimentos iniciamos uma segunda parte de 15 kms. O cansaço foi-se acumulando e com ele uma dor abdominal e dos adutores a partir dos 24 kms, até que aos 27 obriguei-me a mim próprio a parar por causa da dor.


Os sintomas eram semelhantes aos da pubalgia, pelo que na 2ª feira seguinte tratei de ir directamente para a sala de tortura perdão, aula de abdominais, e depois para uma aula extra de natação na 4ª feira. Vocês podem não acreditar, mas os sintomas passaram...


Neste fim de semana seguem-se dois treinos saber se estou em condições e para tomar a decisão de ir à Maratona ou não.

Porque "a dor é inevitável o sofrimento é opcional"

4 comentários:

  1. Tu livra-te de não vir sofrer um bocadinho ao Porto no dia 8/11 que é domingo ;)
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, vou sofrer no Porto. Mas só um bocadinho. Obrigado por tudo! Abraço

      Eliminar
  2. Tu atreve-te a não ires ao Porto!!! Atreve-te só!

    ResponderEliminar